Eu Aguento...

   De volta á escrita “blogueira” relato-vos uma situação que se passou em Novembro do ano transacto.
   A estória reza que ao vigésimo segundo dia do mês de Novembro, 2006 (ou serão 2005? Façam as contas.) anos depois do nascimento do Senhor, uma socialité do Rio de Janeiro foi assassinada com um tiro na cabeça. A socialité tinha 58 anos, chamava-se Ana Cristina Giannini Johannpeter, e estava parada num semáforo no Lebon dentro do seu Mercedes quando surgiram dois “putos” de bicicleta. Os bandidos tentaram assaltar a mulher e no meio da confusão deram-lhe um tiro na cabeça. Até aqui nada de especial ou anormal, certo? Os sacanas dos putos montaram novamente na “bike” e lá fugiram para o bairro social onde viviam – Cruzada São Sebastião – a 350 metros do local do crime. A polícia veio para ver o que é que se passava e, após constatar o ocorrido, logo deu ordem de caça aos dois bandidos. Acho que só o fizeram porque viram que o assunto era mediático, e toda a gente quer os seus 15 minutos de fama. Como se pode imaginar, os polícias iam ter uma enorme dificuldade em encontrar dois miúdos, iguais a tantos outros, num bairro social. O que fazer? Aplicamos técnicas avançadas de pesquisa criminal ao estilo CSI? Não. Esperamos para ver o que diz o relatório de perícia balística? Mais uma vez...NÃO. Bem, sempre se pode tentar obter informações dos moradores do referido bairro. Como é óbvio ninguém ía dizer nada, porque normalmente são comunidades fechadas e muito protectoras “dos seus”. A não ser que... cortemos o sinal de TV por cabo ao pessoal. Pois é, quando a polícia chegou á Cruzada São Sebastião encontrou uma ligação clandestina de TV a cabo, e logo a desligaram. Revoltados, os moradores acabaram por revelar o apartamento onde morava um dos “putos”.
   Aguento viver num país “sem rei e nem roque”, aguento viver sem saneamento básico, aguento auferir 350 reais de salário mínimo, aguento ser iletrado e dizer “póbrema” em vez de “problema”, aguento que a Selecção Nacional de Futebol perca duas vezes seguidas para Portugal(patrícios filhos da puta amantes de bacalhau!), aguento passar o ano inteiro vestindo os mesmos calções sem os lavar, aguento viver numa casa que tem o chão em terra batida, até aguento viver ao lado de ladrões e assassinos, agora, ficar sem televisão por cabo e privar-me das novelas e do futebol diário, essa merda é que nem pensar! Que se foda o vizinho, o primo, a prima, a tia, o filho ou os princípios sociais de que os assassinos devem ser presos de modo a poderem ser reintegrados na sociedade(certo?). Em primeiro lugar estão os episódios da “Páginas da Vida”, 5 jogos (no mínimo) diários de futebol, as sessões ecoménicas da “Igreja do Copo-de-água-em-cima-da-mesa” ou da “Igreja Paga-que-eu-faço-milagres-iguais-aos-do-David-Copperfield” e as edições diárias do Big Brother 7 (que ninguém vê, mas toda a gente sabe que é uma putaria e conhece os nomes dos participantes).
   No próximo Orçamento de Estado não deixem que aumentem as verbas para o Ministério da Administração Pública – Secção das Polícias, peçam é que aumentem a rede nacional de distribuição de TV Cabo. Em vez das novas pistolas que as polícias em Portugal vão receber, deêm-lhes alicates e “busca-pólos” (só para prevenir o corte de um fio com voltagem).
   Meus amigos, o George Bush nunca há-de encontrar o Bin Ladden... a não ser que este esteja a viver ao lado dum Brasileiro com TV Cabo.

Com saudades da “Cauda da Europa”,

Bri.

P.S.: Porque há sempre alguém que interessa por estas merdas... o Mercedes da vítima era um SL 500 e a arma do crime foi um revolver calibre 38.
publicado por Señor B às 04:21